CRÍTICAS ESTREIAS

Animais Noturnos: Estiloso e perturbador

As passarelas sempre foram muito receptíveis ao estilista Tom Ford, um dos nomes mais aclamados da moda. Em 2009, resolveu levar sua elegância para os cinemas e lançou o delicado Direito de Amar, seu primeiro longa-metragem, que lhe rendeu críticas positivas e diversos prêmios. Agora, volta a impressionar com Animais Noturnospelo qual concorre aos Globos de Ouro e melhor direção e roteiro.

Baseado no romance Tony & Susan, de Austin Wright,  foi exibido no Festival de Veneza deste ano e levou o Grande Prêmio do Júri. A narrativa, que se desenrola a partir de três histórias paralelas que possuem ligações, destaca Susan (Amy Adams), uma negociante de arte que tem uma vida privilegiada, mas incompleta, ao lado do marido (Armie Hammer). Em um final de semana sozinha em casa, ela mergulha na leitura do livro escrito por seu ex-marido (Jake Gyllenhaal), uma trama violenta e desoladora também narrada em imagens, que lhe é dedicada.

Nesse “livro dentro do filme”, quem impressiona é Aaron Taylor-Johnson na pele do líder de uma gangue que barbariza com a família do personagem interpretado por Gyllenhaal. Indicado ao Globo de Ouro de coadjuvante, o ator dá aqui provas de que seu talento pode ser melhor aproveitado do que em filmes como Kick-Ass:Quebrando Tudo.

 Animais Noturnos apresenta um visual deslumbrante e sombrio, com atuações poderosas. O diretor e roteirista constrói a narrativa em cima de perturbações ao contar uma história dentro da outra. Seus protagonistas mergulham em universos brutais carregados de ódio, vingança, violência, justiça e amor. Em seu segundo trabalho como cineasta, Tom Ford realiza um interessante vai e vem entre passado, presente e ficção. É fato que seu talento já ultrapassa as passarelas. VITOR BÚRIGO

Cotação: ****

Publicidade

1 Comentário

Deixe o seu Comentário