CRÍTICAS ESTREIAS

Cinquenta Tons Mais Escuros: Flerte com o thriller

A crítica massacrou Cinquenta Tons de Cinza, é verdade, mas a sequência não entra em cartaz nesta quinta por acaso. Mais de 6,5 milhões de brasileiros foram aos cinemas conferir  a adaptação do best-seller de E.L. James, que arrecadou perto de US$ 570 milhões pelo mundo. Não é pouca coisa.

A substituição da diretora Sam Taylor-Johnson por James Foley (Caminhos Violentos) não significa necessariamente uma elevação de qualidade, mas Cinquenta Tons Mais Escuros toma agora o caminho do thriller, o que pode aumentar seu público. O tom é mais dark na medida em que o passado de Christian (Jamie Dornan) vem à tona, e com ele a origem de seus traumas.

A trama se passa semanas depois do fim do primeiro filme. Ana Steele (Dakota Johnson) começa a trabalhar em uma editora – com um chefe bonitão e pinta de cafajeste -, mas Christian está decidido a reconquistá-la. Obviamente, ele consegue o que quer e o enredo mostra a retomada do romance, só que sob a sombra de uma jovem com cara de zumbi que passa a perseguir Anna.

A presença de Kim Basinger como Elena, a mulher que introduziu Christian no mundo do sexo e da submissão, é um adendo intrigante, mas pouco explorado (quem sabe na parte final). Há cenas deslocadas, como o voo de helicóptero do protagonista, e outras que pediam melhor desenvolvimento, como o confronto entre Anna e Elena. Paciência, mesmo porque a expectativa da crítica já não era muito animadora.

Agora, vamos ao que interessa: Cinquentas Tons Mais Escuros é muito comportado para quem busca cenas tórridas de sexo. É soft porn. Afinal, estamos falando de sadomasoquismo! Tá certo que a produção não quer abrir mão do público adolescente, mas Christian é um sujeito doente e a imaginação vai longe quando ele abre o salão vermelho onde guarda os apetrechos de sadismo.

Na hora H, porém, ele não passa de um príncipe um pouquinho mais ousado. Se a tara do rapaz é infligir dor e sua amada sai das sessões sem um hematoma ou um arranhão, a brincadeira é frustrante para o público. Dakota Johnson faz uma Bela legítima em toda a sua ingenuidade, mas, francamente, Jamie Dornan de Fera não tem nada.

A etapa final, Cinquenta Tons de Liberdade, foi rodado junto com a segunda parte e estreia em fevereiro de 2018.

Cotação: **

Publicidade

Deixe o seu Comentário