CRÍTICAS ESTREIAS

Júlio Andrade e Irandhir Santos são a força de Redemoinho

 

Gildo (Júlio Andrade) e Luzimar (Irandhir Santos) nasceram em Cataguases, Minas Gerais, e passaram toda a infância juntos. Luzimar trabalha em uma fábrica de tecelagem e nunca saiu de sua cidade. Gildo mora em São Paulo e acredita ter se tornado um homem bem-sucedido. Na véspera do Natal, Gildo chega à Cataguases para ajudar a mãe, Dona Marta (Cássia Kis), a vender a casa da família. Já Luzimar, casado com Toninha (Dira Paes), tenta guardar de todos um segredo, mas a volta do velho amigo pode mudar seus planos.

Diretor das séries Nada Será Como Antes e Justiça, José Luiz Villamarim estreia seu primeiro longa em parceria com o roteirista George Moura (Amores Roubados e O Rebu). Redemoinho tem como trunfo a fotografia de Walter Carvalho, que faz um instigante jogo de cores para pintar as mudanças de ânimo durante o reencontro dos protagonistas.  Porque Gildo e Luzimar bebem todas e deixam aflorar e as boas e más memórias.

O problema é que a dupla central é talentosa demais para um roteiro que começa enigmático, mas não demora a entregar tudo de bandeja. O que era para ser revelação fica às claras antes do tempo. Tramas sobre acertos com o passado existem aos montes, embora Redemoinho abra uma discussão envolvente sobre aquilo o que se espera da vida, e o que a realidade nos entrega. Pena que nem o confronto entre os protagonistas ganhe dramaticidade relevante.

A estreia no cinema de Villamarim precisa de ajustes, mas ainda assim ganhou o Prêmio Especial do Júri Oficial e o de Melhor Ator para Júlio Andrade no Festival do Rio 2016.

Cotação: **1/2

 

Publicidade

1 Comentário

Deixe o seu Comentário