CRÍTICAS FESTIVAIS

Onda de Calor traz um dilema social intrigante

Conforme amadurecemos, fica mais evidente que o mundo não é preto e branco, mas formado por várias gradações de cinza. É esse tipo de complexidade que traz Onda de Calor (2015).

O filme se passa em uma pequena cidade rural da França, onde Joseph (Karim Leklou, de O Grande Assalto 11.6) importuna a todos com seu comportamento. O jovem rouba objetos e assedia as mulheres, mas é portador de deficiência mental. Portanto, fica complicado condená-lo por seus atos. O prefeito (Jean-Pierre Darroussin, de O Fio de Ariane) bem tenta controlar a situação, mas não há muito o que ser feito.

Cena do filme Onda de Calor (2015)

Cena do filme Onda de Calor (2015)

O título do longa também traz em si certa complexidade. Em uma primeira olhada, faz referência à condição meteorológica da localidade, que sofre com uma grave seca. Por outro lado, o nome também faz alusão ao clima de tensão social. Muitos moradores nutrem sentimentos hostis em relação a Joseph, outros sentem dó e a família dele fica com uma incômoda situação de impotência. Enquanto isso, o protagonista é motivo de chacota para os outros jovens que moram por ali.

O roteiro merece elogios por conseguir mostrar todos os lados da questão sem apontar dedos para culpados. O feito é ainda mais nobre se considerarmos que a produção é baseada em uma história real.

Assim, tem-se um constante incômodo no ar, que chega até o âmago do espectador. Onda de Calor oferece um panorama, mas não um veredito. É um filme para se ver e discutir – e discutir bastante.

Cotação: *** ½

Onda de Calor foi visto durante o My French Film Festival 2016. Para acessar a cobertura completa do evento, clique aqui.

Publicidade

1 Comentário

  • Caro Anf3nimo,Tenho pena que ne3o se identifique.O botino do nosso mundo e9 existirem pessoas para todos os gostos. Se todos fossemos iguais, ne3o existiria diversidade, credtica ou emoe7e3o.Da lista que enumerou, Intouchables je1 estreou e je1 foi aqui publicado no blogue, ne3o fazendo parte do grupo de estreias a que me referi. Claro, todos os meses existem boas estreias. Raras sere3o as assombrosas estreias, como existem para dar e vender entre Outubro e Fevereiro. A isso me referia. Da restante lista, apenas existem 2 filmes que terei realmente vontade de ver. Os restantes que referiu, ou facilmente dispenso ou ente3o irei ver se nada de mais interessante tiver para fazer.Joe3o.

Deixe o seu Comentário