CRÍTICAS ESTREIAS

Pela Janela: Hora de recomeçar

Nos bastidores do Festival de Gramado, foi grande o descontentamento pela ausência de Pela Janela entre os premiados, diante da vitória de Como Nossos Pais, de Laís Bodanzky. O público agora vai poder ver a bela estreia da diretora e roteirista Caroline Leone – e tirar as próprias conclusões.

Rosália (Magali Biff) tem 65 anos e há 30 anos trabalha em uma fábrica de reatores da periferia de São Paulo. Do nada, o patrão anuncia a fusão com outra empresa e demite a “obsoleta” Rosália. É o irmão dela, José (Cacá Amaral), que vai tentar tirá-la da depressão ao levá-la como passageira em uma viagem de carro que precisa fazer até Buenos Aires.

Carolina faz um delicado estudo de personagem. Rosália pouco diz, mas seu desamparo grita. E José, com pequenos atos agradece a irmã por ter se dedicado aos outros por toda a vida. Na estrada, pela primeira vez, ela olha para si mesma.

Perfeita a justificativa da crítica que premiou Pela Janela na seção Bright Future do Festival de Roterdã: “pela forma como mistura as esferas emocional e política sem ser excessivamente demonstrativo”.

Publicidade

Deixe o seu Comentário