CRÍTICAS ESTREIAS

Power Rangers: De olho na nova geração

Como mãe de dois meninos nascidos entre 2000 e 2004, passei muitas horas em frente à TV assistindo à série Power Rangers, e obviamente tinha uma gaveta lotada de bonecos e todo tipo de apetrechos ligados aos heróis. “É hora de morfar!” e “Go go Power Rangers!” eram gritos de guerra nas usuais batalhas caseiras entre os meus pequenos. Daí a expectativa de ter uma agradável sessão nostalgia com a estreia de Power Rangers.

Confesso que os momentos vibrantes foram breves e já na metade final. E não se trata de um filme ruim, pelo contrário. Só que o alvo aqui não é propriamente os antigos fãs. Power Rangers está de olho na nova geração, e por isso se constrói como um filme de origem, o que significa que a narrativa leva um bom tempo para apresentar os personagens, criar a sintonia entre os futuros heróis, para então dotá-los de poder e colocá-los em ação.

O diretor, Dean Israelite, é o mesmo do surpreendente Projeto Almanaque, uma ficção cientifica sobre um grupo de jovens que constrói uma máquina do tempo. E é interessante como volta ao início da Era Cenozoica para contar como o confronto entre os alienígenas Zordon (Bryan Cranston) e a vilã Rita Repulsa (Elizabeth Banks) provoca um cataclisma no planeta, mas deixa em solo terrestre as pedras amarela, preta, azul, rosa e vermelha, que transformam seres comuns nos Rangers, os guerreiros do bem que têm como missão salvar a humanidade.

Rita Repulsa

Rita Repulsa

O enredo é antenado e elege como heróis cinco jovens desregrados e problemáticos, assim como aborda com leveza temas como bullying, orientação sexual, rebeldia e amizade. Não espere por grandes atuações, mas não falta carisma aos novatos que formam o quinteto colorido (Dacre Montgomery, RJ Cyler, Naomi Scott, Ludi Lin e Becky G.).

A nova roupagem inclui figurinos que surgem de dentro para fora, como uma questão de pele, e isso é muito original. O herói que vem da alma. É pena, porém, que as cenas de ação sejam breves e que o gigante Megazord, uma simbiose dos veículos conduzidos por cada Ranger, tenha apenas um grande confronto com o monstro dourado de Rita Repulsa. Para quem é fã, pode ser frustrante, mas deixa um gostinho de quero mais, e pelo jeito essa é a ideia…

Cotação: ***

MAIS: Confira na revista PREVIEW que está nas bancas a cobertura completa de Power Rangers, direto de Nova York.

 

 

Publicidade

1 Comentário

Deixe o seu Comentário