CRÍTICAS ESTREIAS NOTÍCIAS

Vingadores: Guerra Infinita tem a segunda maior abertura da história nos EUA

A Disney deve estar rindo à toa. O site IMDB divulgou números superlativos da estreia doméstica da nova aventura dos heróis Marvel. O filme dos irmãos Anthony e Joe Russo entrou em 4.474 salas pelos Estados Unidos e fez US$ 245 milhões, a segunda maior bilheteria de fim de semana. O número pode aumentar quando os caixas fecharem neste domingo.

Guerra Infinita está atrás apenas de Star Wars: O Despertar da Força, que alcançou US$ 248 milhões em 2015. Ainda segundo o site especializado em cinema, apenas outros quatro filmes ultrapassaram os US$ 200 milhões no fim de semana de estreia: Star Wars: Os Últimos Jedi, Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros, The Avengers: Os Vingadores e Pantera Negra. 

As salas estão lotadas também no Brasil e os comentários entusiasmados de quem sai da sessão se mesclam com uma certa frustração pela fragmentação da trama, já que a narrativa se divide em blocos de personagens.

O público jovem queria ver uma reunião apoteótica de todos os Vingadores na mesma cena, nos moldes de Capitão América: Guerra Civil. Mas sobram elogios à batalha em Wakanda, lar do Pantera Negra, onde Thanos desembarca mais poderoso do que nunca.

Os planos do vilão de tomar posse das seis Joias do Infinito, as pedras cósmicas que controlam tempo, realidade, mente, alma, poder e espaço, têm motivações nobres, veja só!

Thanos acha que o universo está superpopuloso e que a solução para o excesso de gente e a falta de alimentos é simples: dizimar mundos e extinguir metade dos habitantes, com um simples estalar de dedos. É esse o poder que as Joias lhe conferem.

Sim, há mortes chocantes, muita ação e emoção. Embora o humor também seja um ponto forte – contribuição do time Guardiões da Galáxia -, é inevitável a sensação de choque e desemparo ao final. Espere pela cena pós-crédito e aguarde o próximo capítulo, ainda sem título, mas com data de estreia: 2 de maio de 2019.

 

Publicidade

Deixe o seu Comentário