ENTREVISTAS ESTREIAS

Bohemian Rhapsody: Confira os bastidores do filme sobre Freddie Mercury

Quando as primeiras cenas de Bohemian Rhapsody – cinebiografia sobre a ascensão do líder da banda Queen – começaram a pipocar, o mundo inteiro ficou assombrado não apenas com a semelhança física de Rami Malek (Mr. Robot) com o vocalista Freddie Mercury, mas também sua performance bastante fiel. Claro, eram sequências curtas, mas já dava para ter uma boa ideia do que estava por vir.

O que ninguém imaginava era a “tormenta” que surgiu na reta final das filmagens, com o abandono de Bryan Singer da direção e a substituição às pressas por Dexter Fletcher, que curiosamente está finalizando outra cinebiografia de um astro da música: Elton John, em Rocketman.

Freedie Mercury à esquerda e Rami Malek

Grande fã do Queen, o produtor Grahan King estava em Londres nas filmagens de A Invenção de Hugo Cabret quando o roteirista Peter Morgan entrou em contato perguntando se ele aceitaria tocar o projeto da cinebiografia de Freddie Mercury. “Respondi que sim. Sou realmente fã da banda, sempre gostei das músicas e tinha todos os discos.” Morgan contou para King que estava escrevendo o roteiro e que certamente ele se daria muito bem com os integrantes da banda, Brian May e Roger Taylor.

Experiente em trabalhar com histórias reais (como O Aviador, Ali e Argo), o produtor sabia que precisaria criar um vínculo familiar. Logo na primeira reunião que teve com May e Taylor, contou que precisava da dupla para recriar a relação com Freddie Mercury, morto em 1991.

A banda Queen roubou os holofotes do mundo quando se apresentou no Festival Live Aid na Inglaterra, realizado no Estádio de Wembley em 1985, que teve audiência mundial na TV de 1 bilhão de espectadores. King conta que não estava no festival, mas o seu irmão estava. “Meu irmão visitou o set de filmagens durante as cenas do Live Aid. Ele viu duas tomadas da banda tocando ‘Radio Ga Ga’ e pareceu não acreditar no que via, porque era muito autêntico”, completa.

A narrativa cobre desde a época em que o jovem imigrante Farrokh Bulsara, nascido na Tanzânia em 1946, trabalhava no Aeroporto de Heathrow em Londres. “Recriar a música do Queen e capturar a apresentação ao vivo é uma parte importante do filme. Gwilym Lee (O Turista), que interpreta Brian May, passou muito tempo com o músico, e Ben Hardy (X-Men: Apocalipse) com Roger Taylor.

O longa também aborda a homossexualidade de Mercury e o relacionamento que teve com Mary Austin, interpretada por Lucy Boynton (Assassinato no Expresso do Oriente). “Como em qualquer história de vida, podemos dar mais atenção a certos momentos do que outros. Estávamos determinados a capturar todas as facetas possíveis do Freddie”, explica o produtor.

A primeira exibição do longa pronto foi para Brian May e Roger Taylor, e King revela que eles ficaram sem palavras. “Fiquei sentado em um lugar de onde eu podia observar suas reações. Só posso imaginar as lembranças que vieram à tona enquanto viam o filme. Foi inacreditável”, finaliza.

Publicidade

Deixe o seu Comentário