ENTREVISTAS ESTREIAS PERSONALIDADES

Daniel Furlan é a grande revelação de La Vingança

Não dava para imaginar que o sujeito tímido do outro lado do balcão de uma livraria iria transformar a vida de uma celebridade como Kiki, a atriz em crise interpretada por Tatá Werneck em TOC – Transtornada, Compulsiva, Obsessiva, que estreou no início de fevereiro. Era o capixaba Daniel Furlan, na pele de Vladimir, um daqueles coadjuvantes que não raro cativam mais que o protagonista. Furlan também participou de comédias como A Noite da Virada e Copa de Elite, mas, pode acreditar, nada chega perto do que ele apronta em La Vingança, de Fernando Fraiha, produtor de TOC.

Uma coprodução entre Brasil e Argentina, La Vingança é um road movie que começa quando Caco (Felipe Rocha), um dublê de cinema fracassado, recebe a enigmática mensagem “Precisamos conversar” da namorada, Julia (Leandra Leal). Quando resolve fazer uma surpresa e pedi-la em casamento, pega a amada no flagra com um chef argentino. Vadão (Daniel Furlan), o melhor amigo de Caco, arrasta o traído até a Argentina, com um plano de vingança. Enquanto Vadão tenta reviver a adolescência, Caco segue focado em reconquistar seu amor. Obviamente, as coisas não saem como o planejado, e as peripécias da dupla na terra dos hermanos rendem boas risadas.

Furlan é cria da MTV, onde fez humorísticos como Furo MTV, Overdose e O Último Programa do Mundo. No YouTube, faz sucesso com esquetes de humor em dois canais, o Amada Foca, ao lado de Bento Ribeiro e Paulinho Serra, entre outros, e o TV Quase. O que pouca gente sabe é que ele queria é ser cartunista. “Eu fazia quadrinhos em uma revista chamada Quase, com o Juliano Enrico, meu parceiro hoje no desenho Irmão do Jorel, no Cartoon Network”, revela Furlan. “Teve um momento em que a equipe decidiu trabalhar com cinema, em curtas para festivais e vídeos na internet. Eu era contra, queria continuar a fazer quadrinhos, mas fui voto vencido e aí criamos o canal do YouTube TV Quase, que fazemos até hoje, e foi assim que a MTV acabou nos conhecendo.”

Berço de estrelas como Fernanda Lima, Marcos Mion e Didi Wagner, a MTV também abriu portas para Furlan. “O Paulinho (Caruso) e o Teo (Poppovic), diretores de TOC, disseram que me queriam no filme porque assistiam a O Último Programa do Mundo, que eu fazia na MTV”, conta. Se na comédia com Tatá ele tinha liberdade com suas falas e até deu algumas opiniões, em La Vingança Furlan e Felipe Rocha ganharam crédito como colaboradores no roteiro. “Derrubamos personagens e cenas, acrescentamos outras, mudamos muita coisa”, explica. “A gente ensaiou bastante, porque La Vingança teve uma pré-produção muito maior que a do TOC. Eu e o Felipe fazíamos as cenas todo dia, então nas filmagens nem improvisamos tanto porque os improvisos dos ensaios foram oficializados no roteiro.”

Inteiramente rodado na Argentina, inclusive as cenas no Brasil, La Vigança faz humor com a rivalidade entre os dois países, e o elenco argentino entra na dança. “Meu espanhol é péssimo, não tenho capacidade de ter uma conversa profunda com ninguém, mas no portunhol a gente se entendia”, lembra. “Meu portunhol até melhorou, embora o Fernando quisesse que eu falasse muito mal mesmo.” Apesar de ser sidekick de Caco, é Vadão quem movimenta o enredo, ao convencer o amigo a cair na estrada. “A primeira impressão de Vadão é que ele é bem babaca, por ter uma visão machista e infantil da vingança, mas ao mesmo ele é um grande amigo, porque o que faz pelo Caco é especial. Ele tem boa intenção, mas dentro desse jeito maluco de operar”, comenta.

Furlan é fã do estilo de humor de Jerry Seinfeld, que costuma rir da própria cena e gosta de ridicularizar os outros, mas se diz muito influenciado pela galera que está do seu lado desde o início da carreira, caso de Juliano Enrico e Caito Mainier. “A gente se influencia mutuamente, porque fazemos muita coisa juntos há anos. Pegamos várias manias um do outro.” A reunião com Tatá Werneck também foi marcante. “Ela tem muita energia, muita ideia e fala sem parar, mas dá espaço para o outro entrar e nos encaixamos bem”, diz. “Tatá eleva o padrão e me inspira pelo fato de eu querer pelo menos chegar perto do talento dela.” Furlan conta que seu próximo projeto é um filme escrito em parceria com Mainier. “É um longa mais autoral que La Vingança e TOC, vai ter nosso DNA”, afirma. É claro que ele quer estrelar. “Faço igual ao Sylvester Stallone, escrevo desde que eu faça o protagonista.”

Publicidade

Deixe o seu Comentário