ESPECIAIS ESTREIAS

O importante é competir

O lema das Olimpíadas se aplica ao cinema quando pensamos em histórias que envolvem disputas nas quais o resultado final não é tão importante quando a jornada para chegar lá. É o caso do fantasioso Creed: Nascido para Lutar (2015) e de vários outros títulos, alguns deles baseado em histórias reais e no calendário de estreias.

MAIS:
Crítica: Voando Alto: Espírito olímpico
Trailer: Tobey Maguire vive gênio do xadrez

Em cartaz desde a semana passada, Voando Alto (2016) segue Eddie Edwards (Taron Egerton, de Kingsman: Serviço Secreto), um inglês com muita vontade de participar das Olimpíadas. Apesar de uma deficiência física nas pernas que foi tratada na infância, o sonho sempre foi uma prioridade. Depois de fracassar em diversos esportes, o protagonista descobre que no ski alpino ele não teria concorrentes e bastava completar uma prova oficial para automaticamente representar a Grã-Bretanha nas Olimpíadas de Inverno de 1992.

Pelos atributos físicos, Eddie nunca teria chance. Por outro lado, sua determinação e seu jeito desengonçado conquistam a simpatia do público, tanto na sala de cinema quanto quem estava nos Jogos e viu o atleta como uma bem-vinda surpresa.

Cena do filme O Dono do Jogo (2014)

Cena do filme O Dono do Jogo (2014)

Do outro lado do espectro está Bobby Fischer (Tobey Maguire, de Refém da Paixão), personagem principal de O Dono do Jogo (2014), que deve estrear no Brasil em 28 de abril. O filme se passa durante a Guerra Fria, quando os russos dominavam os campeonatos de xadrez e os Estados Unidos viram em Bobby uma forma de derrotar os inimigos em uma disputa propagandista.

O xadrezista quer ser campeão mundial e não recusa o apoio, mas não de forma fácil. O problema é que, no assunto carisma, ele é um desastre. Sua autoconfiança chega ao ponto da arrogância, suas exigências beiram o absurdo e sua ambição se transforma em obsessão – o que cobra o preço em seu equilíbrio mental.

Se Bobby é péssimo para conquistar o público por sua personalidade, ele o faz por sua habilidade em comandar as peças no tabuleiro. Um prodígio desde a infância, ele pavimentou o caminho em direção aos grandes nomes do xadrez. Assim, vê-lo vencer tem o mesmo sabor de ver um virtuoso porém antipático músico executar uma canção com maestria.

Publicidade

1 Comentário

Deixe o seu Comentário