CRÍTICAS FESTIVAIS

O que já vimos do Festival Varilux de Cinema Francês

A maratona de filmes francês continua até dia 20 em cinemas de 63 cidades brasileiras. Preview já assistiu a bons filmes da seleção, que reúne 20 longas-metragens da nova safra e um clássico: Z, de Costa-Gavras.

O Amante Duplo

Um dos mais badalados é O Amante Duplo, o novo de François Ozon, que volta a dirigir Marine Vatch, de Jovem e Bela. Sua personagem é uma ex-modelo que se apaixona pelo psicanalista, interpretado por Jérémie Renier. Ozon cria um instigante jogo de espelhos na medida em que ela se envolve com o irmão gêmeo dele, também psicanalista, mas de métodos opostos. Um suspense envolvente que reserva grandes revelações ao final.

Carnívoras

Renier está duplamente presente no festival, pois forma dupla com o irmão (não gêmeo e também ator) Yannick Renier na direção de Carnívoras. É a estreia de ambos atrás das câmeras e o resultado é irregular. Muito por culpa do roteiro, sobre duas irmãs atrizes, uma já estrela, bem casada e mãe de um garoto, a outra ainda aspirante. A diva surta durante as filmagens de uma produção barra pesada e simplesmente desaparece. A outra meio que assume seu lugar e o resultado dessa nova orden familiar tem consequências previsíveis. A conturbada relação com a mãe parecia uma pista para a instabilidade da atriz famosa, mas é uma vertente abandonada pelo caminho. Podia ser bem melhor.

Troca de Rainhas

Quem curte filmes de época não pode perder Troca de Rainhas, que resgata um período pouco explorado da vida de Luis XV. Em 1721, França e Espanha selaram um acordo de paz que incluia a tal troca. A filha do regente da França foi enviada para desposar o herdeiro do trono espanhol, e em troca o monarca enviou a infanta Anna Maria Victoria para ser a rainha de Luis XV. Só que a garotinha tinha 4 anos e o rei francês, 11. O elenco é estelar, tem nomes como Lambert Wilson e Olivier Gourmet, e vale outra curiosidade: no futuro, a menina se tornaria a avó da nossa Carlota Joaquina. É o tipo de filme histórico que pede uma pesquisa no Google ao fim da sessão.

50 São os Novos 30

Uma opção mais leve da programação é 50 São os Novos 30, coescrito, dirigido e estrelado por Valérie Lemercier. Marie-Francine é abandonada pelo marido (Denis Podalydès), que a troca por uma moça com a idade da filha. Para completar, é demitida do trabalho, volta para a casa dos pais (umas figuras) e passa a ser atendente da loja de cigarros eletrônicos deles. Logo ao lado fica o restaurante onde cozinha o simpático chef  Miguel (Patrick Timsit), que passa a cortejá-la. É comédia com uma pitada de melancolia, e vale pela mensagem estimulante: nunca é tarde para recomeçar.

 

 

 

 

Publicidade

Deixe o seu Comentário