FESTIVAIS NOTÍCIAS

Camila Morgado impacta no 45º Festival de Gramado

O último dia da mostra competitiva no Festival de Gramado 2017 foi marcado pela dor da perda presente nas duas produções da noite. Enquanto o drama argentino enveredou pela leveza ao tratar do tema, a coprodução brasileira com os hermanos optou por uma pegada mais forte. Confira um panorama das duas últimas sessões do evento.

camila-morgado-vergel-2017-2

Camila Morgado e Maricel Álvarez, em cena de Vergel (2017), de Kris Niklison

VERGEL (2017) – Brasil / Argentina
Mulher fica viúva durante viagem de férias na Argentina e precisa resolver as questões legais para providenciar o repatriamento do corpo de seu marido. Enquanto a burocracia dificulta a rapidez do processo, lentamente ela mergulha em um turbilhão de emoções, que envolvem a proprietária do apartamento onde estavam hospedados e a uma espevitada vizinha.

camila-morgado-vergel-2017

Camila Morgado, em cena de Vergel (2017), de Kris Niklison

A experiência como dramaturga e coreógrafa, aliada à magia do Cirque du Soleil, conferiram à cineasta argentina Kris Niklison um diferencial ao lidar com a câmera. Em seu primeiro longa solo, ela mergulha sem medo no erotismo para abordar o luto, através de cenas de forte impacto visual e tons alusivos a Pedro Almodóvar. Com isso, o personagem de Camila Morgado surge em cena de maneira impactante, histérica, e acompanhada, coincidência ou não, de uma versão portenha de Rossy de Palma. O resultado final é, no mínimo, inquietante.

pinamar-2017-festival-de-gramado

Juan Grandinetti e Agustín Pardella, em cena de Pinamar (2016), de Federico Godfrid

PINAMAR (2016) – Argentina
Dois jovens irmãos retornam para a casa de veraneio da família para cumprir o ritual de jogar as cinzas da falecida mãe no mar. Uma vez lá, eles reencontram uma velha amiga e retomam o contato com as memórias afetivas do local. Agora, a certeza de vender a propriedade passa a ser uma grande dúvida.

pinamar-2016

Juan Grandinetti, em cena de Pinamar (2016), de Federico Godfrid

Suavemente dirigido por Federico Godfrid, o roteiro da estreante Lucía Möller gerou pouco mais de 80 minutos de uma tenra reflexão sobre a perda de um ente amado e seus efeitos. Com um elenco de jovens coeso, de interpretações sem exageros, e uma trilha sonora deliciosa, é quase impossível não se encantar com o resultado desse drama envolvente. Certamente, mais um forte candidato para os prêmios da competição latina.

PREVIEW viajou a convite da organização do Festival de Gramado 2017.

Confira outras PUBLICAÇÕES – FESTIVAL DE GRAMADO 2017

Publicidade

1 Comentário

Deixe o seu Comentário