ENTREVISTAS ESTREIAS

Premiado em Gramado, As Herdeiras aborda o amor entre mulheres na terceira idade

Premiada em Berlim, onde concorreu ao Urso de Ouro e foi eleita pela crítica como melhor filme, a produção paraguaia As Herdeiras levou quatro Kikitos em Gramado: além de melhor filme estrangeiro, Marcelo Martinessi foi eleito o melhor diretor e ganhou também o prêmio de roteiro. O troféu de melhor atriz na categoria ficou com o trio de protagonistas: Ana Brun, Margarita Irun e Ana Ivanova. A produção também foi o favorita do público.

Na trama, Chela e Chiquita são herdeiras de famílias abastadas do Paraguai que vivem confortavelmente há 30 anos. Ao chegar na terceira idade, porém, o dinheiro não é mais suficiente e elas começam a vender os bens. Quando as dívidas chegam ao ponto da Chiquita ser presa por cobranças fraudulentas, Chela usa o carro para transportar um grupo de senhoras ricas, que começam a pagá-la pelo serviço. Entre as visitas à Chiquita na prisão e a nova ocupação de motorista, Chela conhece a jovem Angy, que aguça sua sexualidade e deflagra uma profunda transformação pessoal.

Ana Brun, que vive Chela, ganhou o Urso de Prata de melhor atriz em Berlim sem nunca ter atuado na vida. “Eu não posso falar muito da elaboração da personagem porque sinceramente não sei muito bem como tudo isso aconteceu, mas me dei conta de que essa é uma mulher triste e solitária e já passei por fases assim, então pude me identificar com seus sentimentos”, afirma Ana em entrevista coletiva durante o Festival de Gramado. “As pessoas me perguntam sobre a sexualidade no filme, mas acho que o mais importante é a forma como Chela está presa em uma relação de dominação por parte de Chiquita e como ela encontra em um instrumento tão banal quanto um automóvel a porta de saída da crise de identidade em que está mergulhada.”

Em Gramado: Margarita Irun, Ana Ivanova e Ana Brun/Foto: Fabio Winter

Com mais de 50 anos nos palcos uruguaios, Margarita Irun, a Chiquita, atua pela primeira vez no cinema. “Foi muito interessante a nada fácil abandonar as técnicas teatrais e me adaptar à maneira de se fazer cinema”, diz. “Mas me encantei pelo roteiro do diretor Marcelo Martinessi, que é muito jovem e está investindo em uma carreira complicada no Paraguai, que nunca teve incentivos para o cinema e acabou de ganhar uma lei de fomento.”

Angy é interpretada por Ana Ivanova, e serve como catalisador das transformações na vida de Chela. “Vivo da atuação no Paraguai e fazer um filme é sempre uma viagem física e emocional. As Herdeiras aborda um universo feminino que ao mesmo tempo é tão forte e tão frágil, e no qual não nos é permitido envelhecer, nos exigem uma perfeição física quase maldita”, comenta. “Então é muito bom quando um filme nos permite mostrar rugas e olheiras.”

 

 

 

 

 

Publicidade

1 Comentário

Deixe o seu Comentário