ESPECIAIS ESTREIAS

Prontos para Atômica?: Saiba tudo sobre os bastidores

Charlize Theron distribui socos e pontapés com naturalidade espantosa em Atômica, thriller de espionagem de alta tensão que estreia nesta quinta, 31. Não é de hoje que a estrela flerta com o gênero. Se em Encurralada (2002), Uma Saída de Mestre (2003), Hancock (2008), O Caçador e a Rainha do Gelo (2016) e Velozes e Furiosos 8 (2017) ela não foi muito exigida fisicamente, em Æon Flux (2005) e Mad Max: Estrada da Fúria (2015) ficou claro que lhe sobra vitalidade e carisma para carregar uma produção de ação nas costas.

O que salta aos olhos em Atômica, ambientado no final da Guerra Fria, é a combinação de força, desenvoltura e agilidade que demonstra nas cenas de ação e pancadaria. Já conhecíamos a atriz linda e sedutora, e também vimos sua porção feia e talentosa em Monster: Desejo Assassino, drama que lhe deu o Oscar em 2004. Mas trocar sopapos desse jeito? Atômica é um projeto pessoal de Charlize, desenvolvido por meio de sua empresa, a Denver & Delilah (nome de seus dois cães) Productions. Durante cinco anos esteve debruçada nessa adaptação da história em quadrinhos The Coldest City, escrita por Antony Johnston e ilustrada por Sam Hart.

Depois de convocar o roteirista Kurt Johnstad (300: A Ascensão do Império) para expandir e formatar a personalidade enigmática de Lorraine Broughton, agente especial da MI-6, ela foi atrás de David Leitch, que havia acabado de estrear atrás câmeras, dirigindo John Wick (2014), ao lado de Chad Stahelski. O próprio diretor disse em entrevista que “Atômica teria coreografias de lutas bem menos intensas, mas a coisa começou a mudar de figura quando Charlize entrou no set e vimos suas incríveis habilidades.”

Além de passar por exaustiva bateria de treinamentos orientada por um grupo de oito profissionais do ramo (quatro horas por dias, durante dois meses e meio), a bela teve de superar uma torção no joelho, uma contusão feia nas costelas e dores insuportáveis após ter dois dentes esmagados. Resumo da ópera: uma delicada cirurgia na boca, com direito a implante dentário e colocação de um parafuso de metal.

Sem dever nada a Matt Damon, Keanu Reeves, Tom Cruise e suas melhores cenas, Charlize também honra a tradição das colegas ilustres que deixaram a sua marca dentro do gênero, como Sigourney Weaver (Alien, o Oitavo Passageiro), Linda Hamilton (O Exterminador do Futuro) e Angelina Jolie (intérprete de Lara Croft e Evelyn Salt).

A história de Atômica é ambientada em 1989, imediatamente antes da queda do Muro de Berlim, época em que a cidade vivia um clima de insuportável tensão política. A missão da protagonista envolve uma rede de espionagem desconhecida, o assassinato de um agente aliado e uma cobiçada lista que revela identidade de agentes secretos. Lorraine forma turbulenta parceria com o chefe da estação local, David Percival, interpretado pelo escocês James McAvoy. Toby Jones e John Goodman também estão no elenco. Fazem, respectivamente, o investigador do MI6 e o agente do alto escalão da CIA que monitoram de perto a ação da dupla.

Charlize Theron procurou criar uma heroína fora dos padrões convencionais. Lorraine aparece com o rosto inchado e ensanguentado, um dos olhos roxo e fechado, o corpo cheio de hematomas. E não tem essa de ter um caso, se apaixonar por um agente bonitão ou coisa parecida. Em compensação, lá pelas tantas, ela não hesita em dar uma bela transada com uma espiã francesa (Sofia Boutella, de A Múmia).

Sim, Charlize também tem a chance de mostrar sua sensualidade. Mas o suprassumo de Atômica está mesmo nas sequências de pancadaria, coreografadas de maneira coerente para uma mulher. Perceba como Lorraine precisa dar pelo menos três socos para derrubar os brutamontes que surgem no seu caminho e recorre a objetos de todos os tipos para ajudá-la no confronto corpo a corpo (panelas, o próprio sapato de salto alto, uma corda, a porta da geladeira), no melhor estilo Jackie Chan.

Capítulo à parte, a trilha musical é espetacular, com muito pop-rock dos anos 80: New Order, Public Enemy, David Bowie, Queen e George Michael estão entre os destaques.

Publicidade

Deixe o seu Comentário